Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ecoparolices, ecobullying e eco-respeito

por Carlos Neves, em 06.06.21

2.jpg

3.jpg

4.jpg

20210508_171727.jpg

20210508_171735.jpg

20210508_171817.jpg

20210508_172536.jpg

20210508_172540.jpg

20210516_173427.jpg

Uma associação ambientalista, a FAPAS, emitiu há dias um comunicado a criticar a instalação de passadiços e baloiços. Algumas dessas críticas até sou capaz de subscrever: que a instalação devia ser alvo de estudo de impacto ambiental (pensei que sempre fosse), que se deviam privilegiar os trilhos e caminhos existentes (mas atenção às pessoas de mobilidade reduzida), que a manutenção e segurança pode ser deficitária (dos baloiços, suponho), que o excesso de visitantes pode perturbar a fauna local e que se corre o risco de ser uma moda passageira e ficarem estas estruturas ao abandono dentro de alguns anos.

Confesso ainda que também vi uma foto de um passadiço que me pareceu “aberrante”. Mas o título “Basta de ecoparolices…” e o desenvolvimento do texto para além dos pontos que referi fez-me sentir uma arrogância, uma espécie de “eco-elitismo” a fazer “ecobullying” sobre os passadiços. E, não por ser promotor ou frequentador de passadiços, mas por sentir a nossa agricultura, a agricultura que produz comida, também muitas vezes vítima de agro-bullying, dessa agressividade que as redes sociais potenciam, sinto-me solidário com os “parolos” que constroem ou frequentam passadiços. E tenho a dizer que lamento não ter tido tempo para percorrer mais vezes o passadiço litoral entre Árvore e Mindelo (aqui ao pé) ou o extenso e largo passadiço de Montegordo, que só tem o defeito de ficar longe, isto na minha modesta opinião de “parolo” que gosta de passar férias no Algarve.
A necessidade de nos protegermos do covid tirou-nos dos centros comerciais e reforçou o “regresso à natureza”, uma moda boa que já tinha começado antes. Vejo com bons olhos que o meio rural semi-abandonado receba a visita do “povo” da cidade e não apenas dos especialistas ambientalistas. Que os restaurantes perdidos na serra possam servir a chanfana das cabras que ainda limpam os terrenos à volta das aldeias, os bifes das vitelas que pastam nos lameiros e os queijos das ovelhas que sobem as serras.
Tenho aproveitado alguns momentos livres para percorrer alguns trilhos aqui próximos, para ouvir os pássaros e ensinar aos miúdos coisas tão simples como distinguir carvalhos, sobreiros, pinheiros e eucaliptos das nossas bouças. Bouças que fazem parte das nossas casas de lavoura, do nosso complexo agro-florestal. Bouças que estarão cuidadas se não forem santuários intocáveis, mas se houver um corte regular e responsável das árvores para que as mais novas possam crescer. Dos eucaliptos que servem para fazer o papel com que querem substituir o plástico…. Convido-vos a fazer o mesmo, a caminhar, desfrutar do ar livre, relaxar, respirar fundo e procurar na natureza mais paz, tranquilidade para reduzir o stress, a agressividade e o bullying nas redes sociais. Para termos mais “eco-respeito” pela natureza e pelos outros. Paz e amor! Bom fim de semana!
#carlosnevesagricultor

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:24



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D