Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As minhas aventuras na produção de milho grão

por Carlos Neves, em 17.09.23

mg7.jpg

mg6.jpg

mg5.jpg

mg4.jpg

mg3.jpg

mg2.jpg

mg1.jpg

mg8.jpg

Chove lá fora. Seria uma “bela” tarde de domingo se não houvesse ainda milho, uvas e outras colheitas para guardar, mas vou aproveitar este tempo livre para vos contar umas coisas, porque o milho deste ano dava um filme! O texto ficou mais comprido do que o costume, mas como hoje é domingo eu tive mais tempo para escrever e vocês tem mais tempo para ler.
Fiz as primeiras sementeiras das parcelas destinadas a milho grão entre 17 e 18 de abril, com um milho “ciclo 400” que permite uma produção razoável mas relativamente precoce. Esteve bom tempo. O milho nasceu bem e cresceu sem os ataques dos insetos do solo (roscas e alfinetes) que atacaram outras parcelas do milho para silagem semeado no início de maio.
Deixei para trás o “Campo da Bouça” (herdado do lado da minha mãe) que fica em Rio Mau, a 12 Km de distância. A estrada é boa e, se não houver engarrafamentos a passar Vila do Conde, a viagem faz-se em pouco mais de 20 minutos. Fui semear essa parcela na manhã de 28 de abril, antes de partir para a Ovibeja. Levei o semeador com um trator que tinha chegado da oficina poucos dias antes. Cheguei ao campo, liguei a tomada de força e desligou-se por erro no sensor de movimento. Tentei várias vezes. Tinha funcionado bem no dia anterior. Tentei o truque dos informáticos: desliguei o trator, esperei uns segundos e voltei a ligar. Igual. Liguei para o mecânico chefe da oficina. Ao contrário do habitual, não atendeu. Era quase meio-dia. Fui pedir emprestado um trator dos meus primos que habitam a casa dos meus avós maternos que fica ao lado do campo. Emprestaram-me o trator e ofereceram-me almoço, de que recordo umas entradas com alheira de javali, um queijo especial e uma sobremesa de salada de fruta com gelado (repeti a receita da sobremesa nos meses seguintes, sabe bem mas engorda…). Dias mais tarde, deixei o trator na oficina para reparar a avaria. Ligaram-me ao fim de 10 minutos. Problema resolvido, era só a ficha do sensor que tinha ficado mal ligada na reparação anterior e saiu com a vibração da viagem.
Fiz a sementeira no meio do pó mas cumpri um desejo de infância: conduzir um Massey Fergusson da série 300. Nós tínhamos e ainda temos um MF265 (sem sensores de movimento na tomada de força!!!). Ainda me lembro do cheiro a novo na garagem em dezembro de 1980, na altura era a marca mais vendida em Portugal e ainda me lembro quando foi lançada a nova série 300 e como sonhei que o meu pai comprasse um trator desses ou da série 3000, com cabine e ar condicionado. Quem está de fora não imagina como os miúdos filhos dos “lavradores” gostam da marca de tratores como se fosse o clube de futebol e sonham com um trator novo do último modelo. E os mais velhos também, porque a gente cresce (ou nunca cresce) e os brinquedos (tratores) também…
Metade dessa sementeira cresceu bem, a segunda metade correu mal, não por causa do almoço mas por causa de ter usado um saco de semente que sobrou do ano passado e já tinha menos capacidade de germinação. Noutros anos e com outras variedades correu bem, mas fica para aprender. Adiante. Semanas mais tarde, nesse e nos outros campos mais próximos fiz a “monda química” com herbicida, depois fiz a sacha com adubação, deixei a rega da maior parte desses terrenos por conta de S. Pedro (vantagem de semear cedo) e fiz rega gota a gota numa parcela arenosa que nada produz se não regar. Regularmente fui visitando os campos porque “o olho do dono engorda o boi”.
Tinha previsto fazer a colheita no final de setembro, como habitual, mas, com o milho silagem já guardado, fui ver os campos com mais atenção e apercebi-me que as espigas de milho grão no campo da “Bouça Aberta” já estavam dobradas para baixo. Colhi algumas espigas e liguei aos técnicos da União de Cooperativas. Estava com 18% de humidade. Noutras parcelas, 23%. Para conservar ou ser usado nas rações o milho deve estar a 14% de humidade, mas a colheita deve ser feita à volta dos 20%, para melhor rendimento da máquina sem desperdício de milho. Falei com os responsáveis do secador e agendei com o prestador de serviços a colheita para esta quinta-feira que passou, prevendo fazer o transporte com 2 tratores e reboques. No dia anterior fico a saber que a máquina tinha uma avaria impossível de reparar a tempo. Tínhamos dois dias de bom tempo pela frente antes da chuva prevista para sábado e do temporal deste domingo. Teimei. Foi quando publiquei um desenho sobre “Nunca se render”. Procurei uma segunda alternativa, não estava disponível. Procurei uma terceira opção, pessoa impecável e disponível que consegue atender o telefone numa debulhadora sem cabine mas o trabalho e as avarias não correram como o desejado. Falo com outra pessoa, tem a máquina avariada mas indica-me outro que poderá ter uma vaga. Não atendeu mas devolveu a chamada mais tarde. Bato a outra porta. Indicam-me outra pessoa. Não, afinal vendeu a máquina. Mas há outra possibilidade. Quinta-feira já estava perdida mas para sexta-feira consegui então duas máquinas que vinham fazer serviços próximos no início da manhã e podiam fazer-me o “jeito” a seguir. Que lhes ligasse às 10h, disseram-me. Preparei-me para ter duas máquinas a colher em simultâneo. Procurei transportadores com trator e reboque. Como seria de prever, estavam todos ocupados com silagens já marcadas. Pedi reboques emprestados aos amigos que não estavam a ensilar. O plano era colher de manhã e levar de tarde ao secador os reboques que ficassem cheios no outro campo. As máquinas atrasaram-se, como é normal nestas alturas. Enquanto esperava, fui tirando fotografias e incendiando as redes sociais com discussões sobre os reboques mais bonitos. Até parecia que os tinha comprado ou que estava a experimentar. Não, foram emprestados por amigos a quem fico eternamente grato.
A primeira máquina chegou finalmente por volta das 15h00. Às 15h10 avariou. Coisa simples, partiu o elo de ligação de uma corrente. Fomos à procura desse peça simples e barata (10 euros!) mas essencial. Na primeira oficina tinham quase igual, mas não servia. Encontrámos na segunda oficina (felizmente há aqui perto um lugar onde se vendem e reparam tratores e máquinas como se vende leitão na Bairrada, porta sim, porta sim). Voltámos ao trabalho. A segunda máquina chegou às 17h00 e começou a colher noutro campo. Levei o primeiro reboque ao secador ao fim da tarde. Uma máquina trabalhou até às 20h00 e ainda foi para outro lado continuar, a outra máquina andou até às 21h30. Não é fácil colher milho grão de noite com o orvalho.
Era meia-noite quando eu e o Hugo saímos da “Bouça Aberta” com os últimos reboques. Chegámos ao secador à uma da manhã, após uma viagem com o máximo cuidado nas rotunda e descidas e a velocidade possível nas subidas. Saímos meia hora depois com os reboques vazios, outro colega ainda na fila atrás de nós para descarregar e noticias de outra máquina ainda a colher no campo (ou a terminar uma reparação de avaria na oficina). Fizemos a viagem de regresso (40 minutos com o reboque vazio) debaixo da chuva que começou a cair, mais suave do que o previsto mas talvez suficiente para forçar os meus colegas a parar e descansar. O pessoal do secador trabalhou de “direta” até às 8h00.
Falta-me colher o campo que semeei mais tarde, mas consegui colher o milho que podia cair com o vento por estar demasiado maduro e outro que estava num campo ao pé do rio e a que só tinha acesso passando por outros campos que também são “lameiros” onde não podemos passar depois de chover muito.
Parece-vos extraordinário o que vos contei? São as peripécias normais da colheita do milho. É a vida normal de qualquer agricultor da minha dimensão e da minha região. Eu sou apenas um agricultor normal de tamanho médio, que procura seguir os melhores. Só me distingo por tirar umas fotos, fazer uns vídeos e gostar de escrever umas coisas, para que saibam como fazemos chegar a comida do prado ao prato e como dependemos do trabalho e boa vontade dos colegas, dos prestadores de serviços, dos mecânicos e de toda a gente que noite e dia põem o campo a mexer. Estou cansado. Foi uma semana do caraças!
#carlosnevesagricultor #milho #milhogrão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:42



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D