Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Como manter ocupados os agricultores mais velhos?

por Carlos Neves, em 28.01.24

20240127_112328.jpg

20240127_112411.jpg

20240127_112302.jpg

Passou mais um Natal e passaram os anúncios comoventes que nos incentivam a comprar telemóveis para ligar às avós. É assim em Portugal e no resto do mundo. Tim May, um agricultor canadiano que sigo no facebook, como “Farmer Tim”, lembrou depois do Natal que “os bancos alimentares continuam a precisar da sua ajuda, os sem-abrigo continuam a precisar de apoio, os doentes continuam a sofrer e os solitários continuam a precisar de companhia.” 

Isto veio na continuação de outra publicação sua, antes do Natal, um texto fantástico sobre a situação do seu velho pai, limitado pela doença e sozinho após a morte da mãe: “Foi um ano de perdas para todos nós, especialmente para o meu pai. Perdemos uma mãe e uma avó, mas ele perdeu a sua esposa de quase 60 anos. Parte-se-nos o coração quando o ouvimos desejar-lhe boa noite ao passar pela sua fotografia a caminho da cama. 

A sua artrite debilitante tirou-lhe as liberdades num abrir e fechar de olhos. Deixou de conduzir, de cortar a relva, de plantar e de ir rapidamente ao seu restaurante preferido ou à igreja. O mundo que ele conhecia reduziu-se às poucas visitas que ocasionalmente aparecem e às mensagens de texto ou zooms que recebe nos seus dispositivos. 

Duas vezes por dia, os assistentes ajudam-no a tomar banho e a vestir-se - até comer é um desafio. É difícil acreditar que este foi um dos homens mais fortes que já viveu - pelo menos aos meus olhos. O trabalho era a sua vida e a sua quinta e família eram tudo para ele. 

O nosso celeiro está cheio de madeiras cortadas, secas e empilhadas. As pilhas de madeira eram o seu projeto de reforma que ele nunca irá terminar. Os arquivos de revistas de carpintaria e os armários de ferramentas acumulam pó. 

No entanto, mesmo nestes tempos difíceis, há esperança. Tenho-me esforçado por encontrar formas de o manter ativo no corpo e na mente. Depois do desfile dos Tratores de Natal passei com o carro alegórico por casa dele para lhe dar um espetáculo privado. Ele sorriu pela primeira vez desde há muito tempo. Ainda há pouco era ele que conduzia o nosso carro alegórico. 

Esta semana vi-o a escrever postais de Natal. Perguntei-lhe o que estava a fazer e ele respondeu: "Estou só a fazer o que a tua mãe faz todos os anos." A tradição e a rotina dão-lhe obviamente um sentido de vida. 

Hoje liguei-lhe da loja de ferragens para ir buscar a sua encomenda de material - fita-cola, fechos de correr e tubos de plástico para equipar o andarilho e a cadeira de rodas elétrica. Ele está sempre a mexer. O martelo e os pregos podem ser substituídos por cola e rolos de papel higiénico, mas isso mantém-no ocupado e seguro. 

Por isso, aqui fica uma pergunta para si. Que tipo de coisas podem sugerir para ajudarmos um velho agricultor? A mente dele é afiada, mas o corpo está partido. Nunca tomem as pequenas coisas como garantidas - a vida pode mudar num instante. Com amor para todos vós" (Tim May)

Nas respostas à publicação houve inúmeras sugestões que decidi selecionar, copiar e traduzir para aqui, na esperança que vos possa ser útil, para uso pessoal ou para alguém de quem sejam cuidadores. Não vou referir os nomes, mas poderão ver estes e todos os comentários na publicação do Farmer Tim antes do Natal de 2023.

“-Peça-lhe para gravar as suas memórias. Todos os seus sábios anos de agricultura, com a sua voz, seriam um tesouro. A sua ideia da melhor maneira de fazer o que ele fazia. Lembro-me de muita informação do meu pai, mas há muita coisa que nem sequer sei. Uso a sua sabedoria diariamente na quinta. Gostava de ter mais. Especialmente sobre as vacas e a terra. Abraços para si, é difícil vê-los não poderem fazer a única coisa que amaram e viveram toda a sua vida.

- O meu avô fazia reparações e devia ter várias patentes de coisas que inventou e transformou em vida real. Passou de dono do seu próprio negócio e de mecânico ocupado e respeitado a inválido assim que se reformou. Tornou-se um autêntico feiticeiro/mágico na costura/confeção dos projetos maiores e no trabalho do couro. As mãos ociosas são quando o diabo dança... por isso, mantenha-o ocupado e passe o máximo de tempo possível a ouvir e a amar. 

- Arrependo-me de não ter uma história da vida de meus pais. Há tanta coisa que nunca saberei. O teu pai estaria interessado em documentar a sua vida? Talvez haja alguém que o possa ajudar a fazer isso? É só uma ideia e há tanta coisa que se perde por estarmos demasiado ocupados com o nosso dia a dia.

- Com as minhas tias e tios idosos, escrevi perguntas num caderno. A escrita era difícil, por isso forneci um gravador. Talvez um telemóvel ou gravador digital. A chave para o sucesso está nas perguntas que podem dar início às memórias, e trabalhar a partir daí.... 

- Grave as histórias dele, transforme álbuns de fotografias em livros ilustrados, publique as receitas da sua mãe, leve-o a passear de carro, a tomar o pequeno-almoço, adicione controlos de alfaias agrícolas à cadeira dele, ponha música e sente-se a ver qualquer programa. Leia-lhe um livro ou arranje-lhe audiolivros, são apenas algumas ideias.

- Certifique-se de que todas as fotografias têm os nomes das pessoas que nelas aparecem. Ano aproximado em que foi tirada. Há sempre uma história que acompanha cada uma.

- O meu pai adorava passear de carro.

- Os jovens agricultores poderiam visitá-lo para obterem os seus conselhos, ficarão espantados com os seus conhecimentos e ele gostará de ajudar.

- O que fazer? Talvez haja um grupo de amigos também idosos viriam tomar café. Sei que isso implicaria uma organização da sua parte, mas se preparasse o café e se certificasse de que havia bolachas ou uma espécie de lanche, talvez a cozinha dele pudesse ser o ponto de encontro. Mantê-los envolvidos e ocupados mantém a mente ativa quando o corpo não o permite.

- Jogos online (pensar em baixa mobilidade e manter a mente ativa).

- Será que ele pode vigiar as vacas que estão para parir através das câmaras de vídeo? E outras áreas importantes da quinta?

- Depois de o meu pai, também ele agricultor, ter sido submetido a um triplo bypass, ficou bastante doente durante muito tempo. Comprámos-lhe um pequeno aquário com peixes dourados. Ele adorava estar sentado na sua cadeira a falar com eles e a alimentá-los. Não é exatamente o mesmo que trabalhar na agricultura, mas ele gostava de poder cuidar de algo novamente.

- Os comedouros para pássaros no parapeito da janela são divertidos (quando funcionam).

- Talvez construir uma horta de canteiros que ele possa aceder e trabalhar a partir da sua cadeira de rodas? A minha mãe gostava muito disso.

- Mantenha-o envolvido. Pergunte-lhe sempre a sua opinião sobre as coisas. Peça-lhe ajuda. Continue a fazer com que ele faça parte das decisões da quinta.

 - Procura alguém com quem ele se sinta confortável e lhe faça perguntas. Tenho a certeza que sabes quais são as perguntas certas. Façam um livro com fotografias e memórias, tanto para ele como para si. Ele pode pegar nele em qualquer altura e tu também. 

- As visitas provavelmente significam mais para o teu pai agora, tal como eu, que ajudo a minha mãe de 91 anos que ainda vive sozinha em casa, digo que ter família e amigos a fazer pequenas coisas como telefonemas e visitas significa mais para eles agora. Ver álbuns de fotografias antigas pode, por vezes, ser reconfortante. 

- Quando a minha mãe ainda era viva e estava confinada a uma cadeira de rodas devido à poliomielite, mas com a mente intacta, gostava de fazer puzzles com serras de recortes. Há alguns cortados com peças maiores, se isso o ajudar.

- Quando o meu avô ficou com Parkinson e já não podia trabalhar na agricultura, sentiu o mesmo que o seu pai. Estávamos sempre à procura de coisas para o manter ocupado. Ele adorava passear de carro e dizer-me quais eram as quintas, quem vivia e que tipo de agricultores eram. Tenho saudades desses passeios.

- Um gato para o colo dele!

 - Que tal uma história registada de todas as várias peças de equipamento agrícola de que se lembra ao longo dos anos. Aposto que ele se lembrará de quando e onde muitas peças foram compradas e das reparações que fez.

- Quando o meu pai estava no hospital, um vizinho usou o seu drone para captar imagens da quinta e/ou das colheitas para lhe mostrar, para que ele estivesse a par de tudo. Ele também gostava dos meus aquários quando não podia ajudar nas tarefas domésticas. Também está cientificamente provado que o ronronar de um gato reduz o stress e a dor, por isso talvez um gato de abrigo mais velho? Muitos deles são negligenciados por serem considerados demasiado velhos, mas ainda têm muito amor para dar!” (…)

Legenda da imagem: o pai de Tim May com o neto Andy

Tim é produtor de leite em Ontário, Canadá. Tem uma licenciatura em Ciência Animal pela Universidade de Guelph. Tem dois filhos e a sua mulher é veterinária. É apaixonado pela agricultura e pela educação do consumidor. Nos últimos 40 anos, a sua família tem recebido visitas de escolas, grupos de interesse geral e indivíduos. Foi das crianças da escola que recebeu a alcunha de "Agricultor Tim". Menos de 2% dos canadianos são agricultores. Os consumidores estão muito afastados dos agricultores que os alimentam. Não é de admirar que as pessoas tenham tantas dúvidas sobre a origem dos alimentos e a forma como são produzidos. Os agricultores têm dificuldade em lutar contra a desinformação que os consumidores têm de enfrentar todos os dias quando fazem escolhas alimentares. Se todos os agricultores divulgassem a sua história, os seus esforços contribuiriam muito para dar aos consumidores alguma paz de espírito. Tim afirma que todos que os agricultores também são consumidores. Nós somos o que comemos. Queremos nutrir o nosso corpo com alimentos saudáveis, por isso faz todo o sentido que façamos o mesmo por toda a gente!

(Escrito para o Mundo Rural de Janeiro e Fevereiro de 2024)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:57

Análises de terra 2024

por Carlos Neves, em 13.01.24

IMG_20240113_171043_167.jpg

IMG_20240113_171042_919.jpg

IMG_20240113_171043_569.jpg

“Nós não herdamos a terra dos nossos pais, recebemo-la emprestada dos nossos filhos”. Um ditado que o meu pai gostava de repetir e de que me lembro sempre quando tenho de colher amostras de terra para analisar o solo, preparando as culturas da próxima primavera.

O tempo incerto com frio, chuva, constipações e outras atividades concorrentes não permitiu levar os miúdos a todos os campos mas ainda consegui colher algumas amostras em conjunto.
Como expliquei noutros anos, em cada parcela de terreno, caminhamos em zig-zag, levando uma sonda com um tubo metálico que se espeta no solo até 20 cm, se roda e retira para colher uma pequena amostra. As amostras dos vários pontos juntam-se no balde e depois são colocadas num saco, devidamente etiquetado, que os técnicos encaminham para o laboratório de solos. O objetivo é saber como evolui o pH do solo, o teor de matéria orgânica e de alguns nutrientes como fósforo, potássio, magnésio e manganês…

As análises regulares ao solo e o aconselhamento técnico permitem-nos escolher o adubo e calcular a quantidade a aplicar, consoante o estado do solo e as necessidades da cultura, o que protege o nosso rendimento e o ambiente, porque o excesso de adubo iria causar poluição.

Cultivamos a terra ao longo de gerações. O objetivo de todos os agricultores é melhorar e conservar o solo. Deixar a terra o melhor possível para os que vierem a seguir.

#carlosnevesagricultor
#agricultura
#solo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:13


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds