Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Agricultura biológica, o carro ou a bicicleta?

por Carlos Neves, em 31.07.22

20220731_140953.jpg

O meu primeiro contacto direto com o mundo da agricultura biológica ocorreu há 30 anos num encontro sobre pecuária biológica em Barcelos, salvo erro, a 28 de março de 1992. Não tenho a certeza da data do encontro, mas foi o dia da minha inscrição como sócio da AGROBIO - Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, que organizou o encontro. Eu tinha uma grande preocupação com as consequências do uso de agroquímicos na agricultura e uma enorme expetativa sobre este sistema alternativo de fazer agricultura, mas nesse encontro, sobre produção de leite havia apenas uma apresentação sobre a utilização de bagaço de cerveja numa vacaria do Algarve. Nada mais soube desse projeto. Anos mais tarde, quando lá fui de férias, já não havia produção de leite no Algarve, convencional ou biológica. Reparei com preocupação na recusa de usar antibióticos para tratar os animais (hoje ainda é assim nos EUA, mas o seu uso é permitido na agricultura biológica da Europa, em caso de “risco de vida do animal”, dobrando o intervalo de segurança). A saúde animal no modo biológico era assegurada por “prevenção” (sem vacinas), produtos “homeopáticos” e terapias alternativas. Percebi que não tinha condições para reconverter a vacaria do meu pai para o modo biológico e fiz o meu projeto final de curso na Escola agrícola sobre a implementação de umas estufas com horticultura em modo biológico. Tive uma excelente nota, mas na hora de decidir a minha instalação segui a agricultura convencional. Contudo, não esqueci o assunto. Durante anos recebi e li religiosamente o boletim da associação, a “joaninha”, impressa em papel reciclado. Divulguei a agricultura biológica. Em 2004, na primeira viagem que organizei com a AJADP, levei o grupo a ver uma vacaria no modo biológico no norte de Espanha, na Cantábria. Com 30 ou 40 animais, o agricultor vendia metade do leite para o mercado biológico e metade para o convencional, para não inundar o mercado. Em 2013, já  com a APROLEP, organizei uma visita à Casa Grande de Xanceda, na Galiza, com vacaria, produção de iogurtes e queijos. Acompanhei à distância a tentativa falhada de produzir leite biológico na região de Mogadouro e, mais tarde, a experiência positiva na ilha Terceira. E enquanto Vice-presidente da AJAP assinei centenas ou milhares de contratos de assistência técnica a agricultores no modo biológico ou de produção integrada.

Então, porque não faço agricultura biológica? E vocês, porque não compram produtos biológicos? Fui uma vez ao supermercado procurar os produtos lácteos biológicos e reparei nos autocolantes com desconto pela aproximação do fim de prazo de validade. Vemos notícias de aumento da venda de produtos biológicos, mas continua a ser um nicho de mercado, uma pequena percentagem. São produtos mais caros e somos um país com baixo poder de compra. Outra dificuldade é a mudança dos consumidores. Muitos consumidores que procuram a novidade do “biológico” depois seguem à procura de outras novidades e mudam para outros produtos mais depressa do que um agricultor muda a sua quinta para a produção biológica (são precisos dois ou três anos de reconversão).  Têm surgido notícias sucessivas de excesso de produção de leite biológico / falta de mercado nos Estados Unidos e na França, onde o preço do leite convencional ultrapassou o biológico nos últimos meses. A área cultivada em modo biológico tem aumentado no nosso país e na Europa, mas tenho a perceção que isso acontece essencialmente por causa das ajudas da PAC e não por causa do mercado.

Outra coisa que acho negativa na agricultura biológica é a recusa em usar vacinas ou pesticidas de síntese (como escrevi acima, já se usam antibióticos se for necessário). É a recusa de aproveitar o trabalho da investigação mais recente. Quem produz no modo biológico tem menos opções para proteger as plantas que cultiva ou os animais que cria. Um produto não é mais tóxico apenas por ser artificial. Um cogumelo venenoso é natural. Veneno de cobra é natural. Um pesticida natural pode ser mais tóxico do que um produto sintetizado em laboratório. O critério para usar um produto devia ser a toxicidade e não o seu modo de fabrico. 

Ainda outra coisa que me fez afastar da agricultura biológica foi perceber que havia sempre uma crítica em relação à restante agricultura “convencional”, a agricultura “normal”, a que produz 95 ou 99% dos produtos que se vendem nos mercados. Via mais críticas à outra agricultura do que valorização da agricultura biológica.  Produzir biológico fica mais caro porque a produção em geral é menor, os fatores de produção são mais caros (adubos, pesticidas e rações certificados) e há menos ferramentas de proteção das culturas disponíveis. Para convencer o consumidor a pagar mais, o marketing biológico cai muitas vezes na tentação de promover o medo passando a ideia de que os produtos da agricultura normal estão “cheios de químicos”, mas no modo biológico também se usam pesticidas (de uma lista mais restrita).  Qualquer produto agrícola que se vende ao público não pode ter resíduos de pesticidas ou antibióticos. Há gente que não cumpre as regras? Sim há. Mas há fraudes em ambas as formas de agricultura, tal como acredito que a maioria seja gente séria e bem-intencionada de ambos os lados. Não há santos de um lado e diabos do outro.

O problema é que a agricultura biológica é mais fácil de defender em debates teóricos do que colocar em prática. Esses debates lembram-me as discussões sobre o carro ou a bicicleta que aconteceram há 20 anos quando chegou a Portugal o “dia sem carros”.  Toda a gente dizia na televisão que a bicicleta era uma excelente ideia. Experimentaram um dia sem carros no centro de Lisboa durante um dia da semana e foi um enorme sarilho para levar os idosos ao lar e os miúdos à escola e para o trânsito do resto da cidade. Nos anos seguintes o dia sem carros passou a ser feito num local simbólico e ao domingo, para não dar problemas. 

Comparei a agricultura convencional ao carro e a agricultura biológica à bicicleta. Entretanto, tal como as agriculturas, os carros e as bicicletas evoluíram. Surgiram os carros elétricos, que não libertam gazes durante a circulação. Do outro lado, surgiram as bicicletas elétricas que permitem a sua utilização em cidades de colinas como Lisboa. Surgiram ainda ciclovias ao lado das estradas para os automóveis. 

Também a agricultura biológica e a agricultura convencional evoluíram. Tenho o máximo respeito por quem consome ou produz no modo biológico por paixão, por convicção ou por ser mais rentável combinar a venda dos produtos com as ajudas existentes. Não digo que dessa água não beberei, mas ao fim de 30 anos á volta deste assunto continuo a apostar na “terceira via” da “produção integrada”, uma espécie de meio termo entre uma agricultura que recusa todos os “químicos” e outra que os utilize de modo excessivo e sem cuidado. Penso que é por aí que passa o futuro, por uma agricultura que aproveita o melhor da inovação e investigação, que escolhe os produtos testados como menos tóxicos e mais seguros, mas sem deixar de garantir a produção de alimentos para todos (escrito para o "Mundo Rural" de Julho / Agosto de 2022



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:15

Ponham os olhos na França, na Holanda e no Sri Lanka

por Carlos Neves, em 24.07.22

20220723_122543.jpg

Nos anos em que o meu Verão corria mais devagar, isto é, quando cultivava menos parcelas e o meu pai tomava conta de algumas regas, costumávamos sentar-nos no sofá após o almoço a ver a volta à França em bicicleta, “o único veículo em que o animal puxa sentado”, como dizia o meu pai. A volta à França, o “Tour”, é mais do que desporto individual e coletivo, esforço e estratégia de equipa. É uma montra dos monumentos e paisagens de França, mantidas pelos jardineiros da paisagem que são os agricultores. A agricultura é importante na França e há uma preocupação de manter a agricultura em todo o território e uma oportunidade para os agricultores criarem empatia com a sociedade, com os consumidores mostrarem o seu orgulho pela sua atividade de cultivar e alimentar o país.

Havendo na França uma tradição de violentos protestos por parte dos agricultores, por estes dias esses protestos ocorrem na Holanda. Ao longo das últimas semanas, milhares de tratores estiveram nas estradas, autoestradas, aeroportos, centros de distribuição e todo um conjunto de locais para gritar “No farmers, no food” (sem agricultores não há comida), porque o governo holandês quer impor uma redução brutal da emissão de nitrogénio através da redução de adubações e da atividade agrícola em algumas áreas, ameaçando com expropriação de terras em última análise. Para além de serem obrigados a reduzir a produção em alguns casos para níveis que não permitem viver da agricultura, os agricultores sentem a injustiça de verem outras atividades, por exemplo indústrias com evidentes impactos ambientais, serem consideradas prioritárias e não sujeitas a reduções. Tudo isto acontece quando o mundo enfrenta uma crise alimentar por causa de secas e da guerra na Ucrânia e quando a Comissão Europeia, no caso guiada pelo Vice-presidente holandês Frans Timmermans, quer impor a toda a Europa a estratégia “Farm to fork” ( “da quinta ao garfo” ou “do prado ao prato” como nós dizemos) que impõem uma redução acentuada no uso de adubos químicos e pesticidas por toda a Europa, uma proposta que, para mim, continua sem fundamentação cientifica para os números  que se apontam como objetivos a reduzir ou aumentar.

Entretanto, do outro lado do mundo, a Sul da Índia, no Sri Lanka, antiga Ceilão, houve uma revolução  e o presidente fugiu do país em consequência de uma enorme crise. Crise por causa do custo dos alimentos, por causa da guerra na Ucrânia, por causa da crise do turismo por causa do Covid… e porque quiseram proibir os adubos químicos e os pesticidas de forma imediata e radical. A experiência durou seis meses até o governo voltar atrás, mas o estrago já estava feito e um país que exportava chá e produzia arroz em abundância passou a ter de importar comida nas atuais condições…

Ficam aqui algumas ligações para quem quiser saber mais sobre estes assuntos, que são complexos. Não acreditem em tudo o que lêem, vejam ou ouçam aqui ou noutros lados, nem pensem que ficam a saber tudo nos jornais e telejornais. Mantenham uma desconfiança prudente e moderada. Moderação, ponderação e diálogo franco e fundamentado, coisas que parecem faltar cada vez mais num mundo extremado e nestes casos em particular.

#carlosnevesagricultor

PS – por causa das regas, do trabalho associativo e de uma surpresa que estou a preparar, tem havido pouco tempo para escrever, mas em breve haverá novidades com muito para ler.

https://www.publico.pt/2022/07/16/azul/noticia/transicao-forcada-agricultura-biologica-sri-lanka-ajudou-ruina-pais-2013419

https://onovo.pt/opiniao/o-fim-do-mundo-e-o-fim-do-mes-DF11726577

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:06

Se querem comer, controlem este gado

por Carlos Neves, em 03.07.22
 
Pode ser uma imagem de relva
Nenhuma descrição de foto disponível.
“A minha aldeia produzia 20 toneladas de milho grão por ano, agora não produz nada por causa dos javalis. Que se pode fazer? Eu sou velho e manco e já não posso fazer nada”.
Este testemunho tocante, que estou a citar de cor, foi o comentário que mais me marcou, entre os 1200 comentários na minha página  do facebook à publicação “Portugal não é um país agrícola”, onde explicava porque não é fácil, de repente, produzir em Portugal os cereais que agora importamos, nomeadamente por ter vastas áreas “pedrícolas”. Não consegui ler todos os comentários por falta de tempo, acho que me perdi entre os elogios dos que me queriam fazer ministro e outros que diziam o contrário, incluindo alguém que disse “vai trabalhar, pá!”, que foi uma boa ordem porque já costumo fazer isso e portanto fui… 🙂
Lembrei-me do desabafo sobre os javalis alguns dias mais tarde, ao ver um vídeo da Lúcia Velasco, uma “ganadera asturiana”, que cria vacas em extensivo e vídeos intensivos em direto a partir do meio rural e em defesa do meio rural de Espanha. “O campo não se vende, se defende”. Eu tinha começada a seguir a Lúcia alguns dias antes e acompanhei a deslocação da sua manada de vacas para a “brañas”, que devem ser o mesmo que as brandas que temos no Gerês, e que são “núcleos habitacionais temporários” nas partes altas das montanhas, ocupados durante a Primavera e Verão, para acompanhar o gado na pastagem. O vídeo tinha como título: “Senhora Rivera, venha cá tomar conta do seu gado!” e eu pensei, a sério que pensei, que a senhora Rivera era alguma vizinha cujas vacas tinham fugido e andavam na horta dos outros a comer as couves, mas não, o “gado” da senhora Rivera eram os lobos que ameaçavam os rebanhos e a senhora Teresa Rivera é a Ministra do Ambiente de Espanha que apresentou uma lei que proíbe a caça aos lobos que servia para controlar a sua população, e no vídeo a Lúcia vai respondendo aos comentários e explicando que os terrenos são privados, que levam as vacas para o monte há centenas de anos daquela forma, que não tem condições para guardar as vacas em currais durante a noite e que não lhe podem dizer que querem as vacas criadas ao ar livre e depois ter que andar a tomar conta dos lobos durante a noite.
Voltemos a Portugal. Eu não sou caçador e ainda não tive problemas com lobos ou javalis, mas cada vez encontro mais notícias sobre este problema e mais desabafos como do senhor da aldeia que deixou de produzir milho. Os javalis destroem milheirais e outras culturas, podem espalhar doenças ao porco doméstico e ser um perigo noutras situações. Não sei dizer se a caça é a melhor ou a única solução, mas acho que a sociedade, o governo, as autarquias, se querem ter comida produzida em Portugal, têm que estudar isto a sério e tomar decisões para controlar este “gado” que se tornou numa praga.
(A foto dos javalis foi tirada de um vídeo de França, a foto do prejuízo é de um vídeo de Portugal).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:29


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

subscrever feeds