Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O que comem as vacas?

por Carlos Neves, em 28.12.19

Novo vídeo - Qual é a alimentação de uma vaca leiteira? Quais são as matérias primas usadas nas rações que complementam a alimentação de aves, porcos, vacas, cabras, ovelhas, coelhos?

clicar aqui para o vídeo 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

Cenas de um natal vegan

por Carlos Neves, em 27.12.19

Screenshot_20191227_100949.jpg

-André? André Silva? Deputado André Silva? Acorda!

-Ah? Quem és?
-Sou o Pai Natal!
-Não acredito!
-Oh, André, acreditas nas terapias alternativas tipo homeopatia que é água com açúcar e não acreditas em mim depois do show que dei no dia 25, tantas prendas, tantas crianças felizes…
-Não acredito! Ainda hoje escrevi no facebook “Antes de gozares com quem acredita no Pai Natal, lembra-te que ainda há pessoas que acreditam que o leite de vaca é para os seres humanos”
-Pois, é precisamente desse “post” que te quero falar! Que chateies os produtores de leite, já estamos habituados! Que tentes convencer as pessoas a deixar-me água de tremoços em vez de leitinho bom com os biscoitos, ainda tolero, que eu provo e deito fora e depois compenso nas outras casas! Agora falares em gozar com quem acredita no Pai Natal, santa paciência!
- Tu não existes! Todos os anos te escrevo a pedir para Portugal se tornar vegan e só tive 3% nas eleições!
-Oh André, olha que já foi muito. Não viste aquele estudo em que 99,8% dos portugueses continuam a consumir carne e peixe? Não queres antes pedir que o Sporting ganhe o campeonato ou uma ponte para os Açores? Olha que é mais fácil…
-Ponte para os Açores não, que assim o leite ainda chega cá mais depressa! E a comunidade científica já disse que o leite faz mal!
-Oh, André, meia dúzia de cientistas a querer chamar a atenção sempre houve… Agora consenso científico… Não vês a OMS, a Direção Geral de Saúde, Ordem e Associação de nutricionistas, todos a defender o consumo de leite? Devias era ler o último artigo da Sábado sobre os perigos do veganismo, que começa por: “bebés e crianças que ficaram em risco de vida, adolescentes que perderam massa corporal e faculdades mentais, e adultos que tiveram de voltar atrás devido a vários problemas de saúde” e ainda “Estudos científicos mostram também que os vegans têm maior risco de ter um AVC e que alguns dos “produtos saudáveis” que se vendem nos supermercados estão carregados de sal.”?
-Há uma alta percentagem da população mundial intolerante à lactose!
-Azar o deles e sorte dos outros! Ao menos agora já há produtos lácteos sem lactose...
-O leite é para os bezerros!
-E achas que a oliveira faz as azeitonas a pensar em ti? Tanta pancada que levam estes dias! Não te preocupa essa violência?
-Tu és uma invenção do capitalismo, tal como a indústria da carne e do leite!
-Oh André, indústria é onde fazem a carne falsa e as bebidas esbranquiçadas que vocês usam para manter a vossa teimosia e tentar recordar os bons sabores que os agricultores produzem na natureza! Eu fui São Nicolau , vivi entre 270 e 350 e era muito popular entre as crianças por causa dos presentes que dava. Depois o pessoal da Coca-cola vestiu-me de vermelho e olha que o vermelho é uma cor bem aceite em Portugal, tem pelo menos 6 milhões de adeptos… tens a certeza que queres ir por aí? E sabes que mais? Isso de andares sempre a pegar com os produtores de leite já enjoa! Devias era assumir que também queres acabar com o Bacalhau no Natal! Isso é que era mostrar coragem! Pá, come lá o que quiseres, vai lá para a Biodanza, mas deixa-me a mim e aos agricultores e produtores de leite em paz! Assim a dizer asneiras nunca vais ter prendas nem um natal saboroso. Depois acordas azedo e escreves coisas dessas no facebook!
#carlosnevesagricultor

#deixemasvacasempaz

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:25

A Turina🐄 foi à missa (de Natal)

por Carlos Neves, em 25.12.19

80247859_176372290427745_265678464953090048_n.jpg

80698160_176372080427766_882799668352778240_n.jpg

Sim, eu sei que noutras paróquias há presépios ao vivo mais espetaculares... Mas este foi o nosso, na Igreja matriz de Árvore, no dia de Natal, foi simples mas digno como a nossa comunidade e os miúdos e a vitela portaram-se muito bem ☺️...
Sim, eu sei que a vitela mal se via, mas isto era só um presépio, se a colocassemos no centro estaríamos a adorar o bezerro de ouro🐂 como os judeus com saudades do Egipto no longo êxodo pelo deserto😒
Sim, eu sei que no tempo do nascimento de Jesus, em Belém ou pelas redondezas, não havia ainda vacas🐄 turinas, holstein ou frisias (curiosamente hoje Israel tem a média de produção de leite mais elevada do mundo, com esta raça) mas o Papa Francisco, na recente carta apostólica sobre o presépio, disse que estava muito bem colocarmos toda a nossa vida 🏠🐑🚜 no presépio, portanto não tem de ser uma maquete arqueológica com rigor científico...
E, mesmo que algum de vós que me ledes agora não seja crente, saiba que presépio quer dizer mangedoura, como bem recordou ontem o nosso cardeal patriarca D. Manuel Clemente na mensagem de Natal. Mangedoura de alguma vaca ou boi, que representa a mansidão, mas que também nos diz, tal como os pastores (ou o bezerro de ouro, ou as vacas magras e gordas do Egito, ou o leite🥛 e mel da terra prometida...) que a criação de vacas e ovelhas e o consumo de carne, leite e queijo é tão antigo como a nossa civilização e não uma invenção da "indústria de carne e leite", a história que os ativistas animalistas nos tentam impingir para justificar as suas ceias de natal vegan... Enfim. Perdoai-lhes Senhor, que não sabem o que dizem e o que perdem😂. Feliz Natal para todos!

#carlosnevesagricultor

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:43

Feliz Natal (um abraço em forma de texto)

por Carlos Neves, em 24.12.19

natal2019.jpg

Caros amigos leitores (da revista "mundo rural" de dezembro)

São 7h00 de um domingo de novembro que amanhece tranquilo. O galo já canta atrás de mim, as vacas ruminam ali à frente e eu tenho uns minutos para começar a escrever o texto que vos deve chegar às mãos por alturas do Natal.
Não é segredo que eu gosto de escrever, mas desta vez preferia partir ao vosso encontro como os magos partiram a caminho de Belém, para dar um abraço a cada um(a) e dois aos amigos(as) de longa data, da caminhada da ACR, que poucas vezes encontro mas fazem uma festa quando nos vemos, ou mandam um abraço por alguém, mas um abraço para todos os que leiam este texto, para os que fazem a revista, para os que distribuem a revista e um abraço longo e apertado aos que se sentem mais sós, doentes ou desanimados com a vida. Ouvir um bocadinho. E pedir perdão a alguém que por alguma vez possa ter magoado nesse caminho da ACR, por palavras, atos e omissões, e dizer ainda que comigo “tá tudo bem, todo o mundo aqui tá bem…”
Andava eu a pensar no que havia de vos escrever há uma semanas atrás quando fomos à missa. Chegámos em cima da hora, como é costume quando corre bem (por minha causa, que sou um otimista com os horários) a uma igreja onde não íamos há algum tempo, porque vamos mudando a hora da missa consoante a vida permite.
A missa a começar e a igreja meia vazia lembrou-me que nós, cristãos, tal como os agricultores, somos, cada vez mais, uma minoria, mas vejamos a coisa pelo lado positivo, as minorias estão na moda, não tem de ser mau, os ricos também são uma minoria face aos pobres, e é melhor ser rico do que pobre, ter dinheiro não dá felicidade mas é sempre melhor chorar dentro de um bom carro do que de um carro velho a cair…
E se precisarem de um consolo quando se sentirem perdidos, recordem uma das minhas músicas preferidas:

O SENHOR É MEU PASTOR
Confiarei, nessa voz que não se impõe
Mas que oiço bem cá dentro no silêncio a segredar
Confiarei, ainda que mil outras vozes
Corram muito mais velozes para me fazer parar
E avançarei, avançarei no meu caminho
Agora eu sei que Tu comigo vens também
Aonde fores, aí estarei, sem medo avançarei

O Senhor é meu pastor
Sei que nada temerei
Ele guia o meu andar
Sem medo avançarei

Confiarei, na Tua mão que não me prende
Mas que aceita cada passo do caminho que eu fizer
Confiarei, ainda que o dia escureça
Não há mal que me aconteça se Contigo eu estiver
E avançarei...

Confiarei, por verdes prados me levas
E em Teu olhar sossegas a pressa do meu olhar
Confiarei, a frescura das Tuas fontes
Deixa a minha vida cheia, minha taça a transbordar
E avançarei...

Entretanto a missa avançou e o evangelho era a parábola da viúva que pedia justiça ao juiz iniquo (tão atual, o evangelho!!!), ele não queria fazer justiça, mas lá teve que ser, que a senhora era chata. É mais ou aqui que vou buscar o mote para a minha vida associativa / sindicalista na agricultura, chatear até haver justiça no preço do leite ao produtor, na repartição de margens entre toda a cadeia de fornecimento, etc, etc…
E para rematar e encher a alma, no cântico final, o grupo coral, onde estava gente que também costuma ler ou é filha de quem lê esta revista, encerrou a eucaristia com “A vida não vai parar…”

Em 2020, se Deus quiser, continuamos por aqui, mas se me quiserem ler mais vezes, e comentar, procurem no facebook ou instagram por “carlosnevesagricultor”, tudo junto ou separado! Estou por lá, mas continuo por aqui. Abraço. Santo Natal! Bom ano novo!

“Podes achar que não tens
P'ra onde ir, nem que fazer.
Não sabes bem quem és aqui
Neste mundo, tão grande e frio.
Mas há qualquer coisa em ti
Que te faz querer, querer ser alguém,
Querer ser alguém...

E a vida não vai parar,
Vai com o vento,
Tens tudo a dar
Não percas tempo.
Podes saber, que vais chegar
Onde Deus te levar.

Mas pode ser tão difícil
De acreditar, em Deus assim
Será que Deus se vai lembrar
De me ajudarSerá que sim
Mas há qualquer coisa em mim
Que me faz querer
Acreditar (bis)”
 
 
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:51

Podemos aprender alguma coisa com a Elsa?

por Carlos Neves, em 21.12.19

lagoa-bougado.jpg

Impressionou-me esta foto da autoria de Daniela Padrão partilhada pelo Pedro Torres. Ao fundo, lá no alto, está a igreja de S. Tiago de Bougado na Trofa e os campos agora submersos estão no lugar da "Lagoa". Algum motivo houve para lhe darem esse nome. E avisados foram os antigos que plantaram as Igrejas em sítios altos, ao invés dos mais recentes que plantaram casas, estradas e armazéns em leito de cheia. Agora está feito e não somos um país rico para os mudar de sítio, mas podemos fazer mais para nos prevenir.
Governantes, Proteção civil e jornalistas podiam começar por conferências de imprensa antes das tempestades (como fazem os americanos antes dos furacões), com avisos e conselhos para as pessoas e depois fazer menos "diretos" à chuva. Será que as audiências aumentam com os repórteres mais molhados? E já agora, melhorar a comunicação de avisos à população e a nossa capacidade de nos organizarmos para nos defendermos e entreajudarmos. Em caso destes, os bombeiros não chegam a todo o lado.
Por falar em furacões, parece haver uma tendência de aumento de tornados ou mini-tornados aqui na zona litoral entre Vila do Conde e Matosinhos. Isto merece estudo e avisos às pessoas.
Voltando às cheias, diziam os antigos que para um ano ser bom ("agricolamente" falando) tinham de vir 3 cheias antes do Natal. No lameiro ali em baixo já contei pelo menos 5, portanto ou 2020 vai ser de arromba ou então é o efeito de mais estradas e construções e menos campos e bouças para infiltração da água. Recordo o que escrevi em Setembro e “Pude semear cedo porque é um terreno fresco, próximo de um ribeiro, sujeito a inundações, agora mais frequentes porque na pequena bacia deste ribeiro está agora uma autoestrada e uma zona industrial. Semeando cedo, quando o inverno chegar, as raízes das plantas já nascidas seguram a terra e evitam a erosão. O leito de cheia permite à água espalhar-se e não provocar inundações na povoação mais abaixo.(...) O azevém é um bom exemplo de planta resistente às alterações climáticas e situações extremas de clima, resiste a neve ou inundações. (...) Aquele terreno é plano e fértil pelo resultado de inundações ao longo de milhares de anos.” Durante anos não fez diferença andar cedo com o milho e a erva - este ano fez.
Meus caros, é normal chover no inverno, às vezes chove muito e a tendência parece ser para o agravamento dos fenómenos extremos. Podem discutir as causas históricas, políticas ou económicas, podem trocar o Trump pelo Obama ou pela Greta, podem gastar imensa energia a discutir esses assuntos nos vossos telemóveis com baterias a lítio, podem mudar as politicas que quiserem para evitar o aquecimento futuro do planeta, que as mudanças já acontecerem e temos de as enfrentar, mitigar, adaptar, limpar e alargar ribeiras, defender as culturas, os animais, as casas e as pessoas. Desde já. Agir local, sem esperar por tudo o que se pode e deve fazer a nível global.

#carlosnevesagricultor

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:51

Precisamos de falar (III) – O leite não tem conservantes!

por Carlos Neves, em 18.12.19

IMG_20191207_081653.jpg

IMG_20191207_103432 (1).jpg

Screenshot_20191218_123606_com.google.android.apps

Screenshot_20191218_123644_com.google.android.apps

Levei algum leite, uma panela e um fogão de campismo (obrigado pelo empréstimo, primos!) para ferver o leite na feira de Natal e dar a provar às pessoas. Levei chocolate, aveia ou café caso preferissem acompanhar assim. Para os mais novos foi novidade, um sabor diferente, mais intenso e adocicado do que o leite UHT; os menos jovens mataram saudades do leite da casa dos pais ou avós ou do agricultor vizinho onde iam buscar diariamente o leite com a cântara de alumínio. E por várias vezes, depois dos elogios ao sabor, lá vinha o comentário: “Ah, esse leite é muito diferente, puro, sem conservantes”. E eu, que só levei o leite para dar a provar, lá respondi que tanto o leite do dia (pasteurizado) como o leite UHT, que se compram nos supermercados, não tem conservantes. “Então como dura tanto tempo?” E eu expliquei o percurso do leite, que podem descobrir entre outras coisas no livro “Conhecer o leite”, da Associação Portuguesa de Nutricionistas

Em resumo, o leite depois de sair da vaca é imediatamente arrefecido e armazenado no tanque frigorífico da vacaria, até 48 horas, e segue depois em camiões isotérmicos para as fábricas onde é analisado antes de entrar,  filtrado, é lhe retirada mais ou menos gordura consoante se pretende leite magro, meio gordo ou gordo e depois é pasteurizado, ultrapasteurizado ou tem como destino queijo ou iogurtes.

Na pasteurização o leite é elevado a temperaturas entre 72 e 75 graus durante alguns segundos e depois arrefecido; eliminam-se as bactérias que podem ser nocivas para o homem permitindo um leite mais parecido com o leite inicial em termos de sabor e nutrientes, mas também por isso esse leite “pasteurizado” ou “leite do dia” tem de ser conservado no frigorífico e validade de cerca de 10 dias.

Para obter o leite UHT (Ultra Higth Temperature), através da ultrapasteurização, o leite é elevado a temperaturas entre 135 e 150 graus por breves segundos. Com este processo, além das bactérias patogénicas também se eliminam as que poderiam deteriorar o leite, que sendo depois embalado numa embalagem estéril se conserva durante 6 meses até a embalagem ser aberta (depois de aberta a embalagem deve ser colocada no frigorífico e consumido o leite em 3 dias).

É certo que estes processos modificam o sabor do leite, mas as diferenças nutricionais são mínimas e a gordura (nas diferentes percentagens), a proteína, a lactose, os minerais e vitaminas permanecem no leite. O ideal era todos podermos viver numa quinta com uma porta para o Shopping e ter sempre à mão a vaca, as galinhas, as fruteiras e os legumes do quintal, para poder comer tudo da origem e colhido na hora, mas como vivemos em casas e apartamentos, devemos agradecer ao Pasteur e a quem lhe sucedeu as invenções de tratamentos térmicos que permitem conservar e transportar o leite de forma económica e com segurança alimentar, com muito mais higiene e menos riscos do que há 200 anos atrás, quando tudo era mais “natural” (incluindo as doenças e intoxicações que nos matavam mais cedo) mas não havia frigorifico nem leite pasteurizado ou UHT.

#carlosnevesagricultor #leitenacionalescolhanatural

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:43

Este ano está bom para o musgo

por Carlos Neves, em 15.12.19

79284980_171859214212386_6370753989775982592_n.jpg

79761324_171859094212398_8005873225051406336_n.jpg

80061328_171859164212391_3697721453194510336_n.jpg

80226849_171859117545729_4710919326541021184_n.jpg

Saí da sala por momentos para ir ao escritório buscar alguma coisa e ouvi um estrondo. Quando voltei, o menino tinha o braço partido. E não era tudo. O burro perdeu uma orelha, a vaca partiu um corno e o um pastor partiu-se ao meio. Que se passou? O Luís tentou puxar a caixa das imagens que caiu da mesa até ao chão. À boa maneira portuguesa, quero dizer que podia ser pior: S José e Maria estão bem, e os outros também ficaram depois de os ter colado e portanto agora "todo mundo aqui tá bem" excepto o burro que ficou só com uma orelha porque não encontramos a outra, ficámos assim com um burro meio mouco no presépio, mas como fica do lado de trás nem se repara se eu não tivesse dito (mas eu não podia desperdiçar uma história destas, pois não? 😁).

Portanto, para mim, o Natal tem de ter presépio, por uma questão de fé e de história, porque no Natal celebramos o nascimento de Jesus. E um bom presépio deve ter musgo. Quando era pequeno íamos buscar o musgo à "bouça dos quartinhos", que ficava no lugar da Areia e a mãe comprava imagens novas para o presépio na feira da "Bila", todos os anos. Depois com as partilhas após o falecimento da avó Esperança a bouça vendeu-se, eu cresci, o presépio reduziu-se a arranjei um papel verde para substituir o musgo e simplificar. Voltei ao musgo já com o Pedro na bouça do avô Ribeiro e outras vezes na rua das Bouças Abertas. Este ano 🌧️ não dá para cortar erva nos lameiros (à hora que escrevo, só de barco) mas esteve bom para o musgo, até na parede norte do silo velho, onde fui buscar o musgo para o presépio deste ano, o primeiro que o Luís, apesar de tudo, ajudou a fazer. Não está perfeito, mas foi o melhor de sempre, pela primeira vez até tem um rio (falta a ponte, havemos de arranjar). E as vossas casas, também têm presépio? Podem partilhar aqui nos comentários.
P. S. - Ainda sobrou musgo no muro, dou a quem pedir. Boas festas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40

Precisamos de falar (II) - O mistério das placas vermelhas

por Carlos Neves, em 13.12.19

IMG-20191209-WA0003.jpg

IMG-20191213-WA0000.jpg

 

DIA CAMPO FOTO DKC6181.jpg

FB_IMG_1575962383438.jpg

IMG_20191210_134003.jpg

Foi no fim de semana, numa conversa à volta da panela de leite que levei do meu tanque direto para a feira de natal da Árvore Viva, para ferver à frente de toda a gente, dar provar e matar saudades a quem não bebia uma meia de leite direta da vaca há muito tempo… Dizia eu que o leite era local, que as vacas estavam 500 metros atrás de nós, era só atravessar a bouça e passar o regato (a Ribeira da Granja) e dizia também que o alimento principal das vacas é o milho produzido à volta da vacaria e também noutros terrenos ainda mais perto do local onde estávamos quando a senhora franziu o sobrolho e perguntou: “E nós podemos comer esse milho?” E eu disse que sim, às vezes até me roubam espigas para assar, apesar de não ser tão bom como o milho que se vende nos supermercados, porque esse é de uma variedade de milho doce, e ela continuava com ar desconfiado e perguntou se o milho não levava nenhum tratamento, e eu disse que levava o herbicida contra as ervas daninhas antes de nascer ou pouco depois, e, se fosse preciso, inseticida também nessa altura, abril ou maio, e depois não leva mais nenhum tratamento que o milho é uma planta muito resistente, a título de exemplo a batata e o tomateiro têm de ser sulfatados contra o míldio (o “arejo”) todas as semanas, e ela perguntou então se aquelas placas vermelhas que ainda estavam no campo não eram avisos sobre tratamentos feitos com produtos químicos perigosos para as pessoas e eu fiquei espantado porque nunca me tinha passado pela cabeça que alguém pudesse pensar isso…
E expliquei então que aquelas placas coloridas com nomes e números junto aos campos de milho e junto à estrada são publicidade das empresas que vendem as sementes de milho, com o nome da empresa e das diversas variedades, de forma a dizer aos outros agricultores que o Carlos ou o Manuel escolheram aquele milho. Para entenderem, da mesma forma que temos “maçãs” em macieiras parecidas mas com variedades diferentes (golden, vermelha, reineta…), também no milho temos diferentes variedades desenvolvidas pelas várias empresas de sementes (mais rápidas a crescer, mais produtivas, mais digestivas, melhores para as galinhas ou para as vacas…); Em alguns terrenos, os que tem muitas placas seguidas, as empresas de sementes fazem campos de ensaio com diferentes variedades e pouco antes da colheita convidam os agricultores para ver os campos de ensaio, falam das vantagens de cada espécie, convidam-nos para almoçar e nós ficamos com vontade de comprar aquele milho todo😊. E se alguns agricultores compram a várias empresas, milho de semente produzido em vários países, há agricultores que tem preferência por uma marca milho e defendem-na com a paixão de um adepto de futebol, tal como outras pessoas podem discutir marcas de carros, motas ou tratores.
E porque é que deixei as placas no campo depois de colher o milho? Porque não tive tempo de as tirar, porque andei atarefado com as sementeiras da erva, colóquios, feiras de natal e outros assuntos, mas por via das dúvidas, para não preocupar mais ninguém já guardei as placas todas. E para o ano, se os vendedores quiserem e eu deixar, haverá novas placas.
Já agora, por principio, devemos respeitar um período de segurança de 24 horas (ou outra data indicada no rótulo do pesticida) antes de entrar no campo que foi tratado, em abril ou maio.
(continua)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:49

Precisamos de falar (I)

por Carlos Neves, em 11.12.19

78746507_170011381063836_5006520918839656448_o.jpg

Deixei o Pedro na escola e demorei-me a tratar de alguns assuntos na "Bila" (sim, a gente só está 20 kms a norte do Porto, portanto😉). Tocou o telemóvel, era o motorista da entrega de ração que precisava que lhe abrissem o portão. Quando cheguei, já a ração estava descarregada no silo do robô de ordenha e a guia de remessa assinada. Entretanto outro camião🚛 chegou com outra encomenda e barrou a saída durante alguns minutos. Quer um café? Tenho a máquina de  no escritório da vacaria para estas situações e por causa da história do frasco das pedras e do café, se não conhecem eu um dia conto. Aceitou, assim já não precisava parar na área de serviço. Enquanto a máquina aquece e o café arrefece há uns instantes de silêncio que convidam ao diálogo :"Quantos litros de leite dá uma vaca🐄? As vacas dão menos leite quando ficam velhas?" Respondi, fiquei a saber que fazia entregas do Minho ao Mondego. Agradeceu o café, seguiu caminho e eu fiquei a pensar quantos profissionais como este, excelentes profissionais, de quem dependemos, que dependem de nós, que visitam centenas de vacarias por ano e não tendo oportunidade de fazer uma pergunta básica, não sabem como trabalhamos, quanto mais quem está longe, na cidade e nunca entra em nossa casa. Precisamos falar. Com tempo para ouvir e responder.
P. S. 1 - uma vaca leiteira média, em Portugal dá 30 litros de leite por dia. A produção começa após o parto, aumenta nos primeiros 2 meses e depois reduz nos meses seguintes, parando de produzir após 10 ou 11 meses, dois meses antes do parto seguinte.
P. S. 2 - Não é preciso abusar da cafeína, pode ser água, leite, chá ...
P. S. 3 - Estreei estas chávenas hoje com um amigo que não via há 30 anos, soube-me mesmo bem.
(continua nos próximos capítulos)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

subscrever feeds